17/04/2017 às 14h58min - Atualizada em 17/04/2017 às 14h58min

Animais continuam causando acidentes e mortes nas estradas da região

Precisamos levantar uma campanha para evitar esse dano a vida.

Autor: Elton Abreu
Fonte: Portal Serrolândia


Pista sem acostamento e tomada pelo mato nos dois sentidos, atrapalhando a visibilidade e facilitando a presença de animais perambulando em busca de alimentos, é a triste situação nos trechos que cortam as estradas da Bahia, mas, iremos nessa matéria, apenas salientar nossas estradas. Estradas que cercam a macroregião de Jacobina e Capim Grosso.

Durante muitos e muitos anos as BAs são palcos de vários acidentes e mortes causadas por animais e pela falta de capina ou roçagem. Quem acaba pagando os prejuízos são os usuários, que sofrem com os impostos sempre reajustados pelo governo, mas os serviços continuam a passos de tartaruga. Outro problema que parece não ter fim, ai já é a preguiça dos poderes públicos municipais na falta de punições e fiscalização aos donos dos animais criados nas fazendas aos redores das BAs. Cercas sem manutenção e alguns até permitem que seus animais pastem ao lado da pista e, em certos locais outros criam seus animais amarrados com longas cordas, mas que nem sempre seguram os cavalos e jumentos.

Mais um acidente foi registrado no último mês e que tirou a vida de mais um pai de família, estamos falando da vida do trabalhador Val do Maracujá, que colidiu com um cavalo na BR 324 próximo ao Ramal da Quixabeira, Val chegou a ser socorrido, ficou internado por cerca de 15 dias, porém não resistiu. Na BA 417, que liga o Povoado de Novo Paraíso as cidades de Serrolândia e Várzea do Poço, é comum ver animais, principalmente cavalos e jumentos pastando livremente as margens, quando não estão no meio da pista, levando perigo de morte aos que transitam por essas vias. Até quando?

Precisamos que as autoridades possam tomar medidas mais duras, para evitar esses casos; precisamos evitar que mais vidas sejam ceifadas com acidentes envolvendo esses animais; precisamos que pessoas não tenham mais prejuízos, tendo seus veículos deteriorados ao colidir com um cavalo ou outro animal.


Mas o que fazer? Sugerimos que os municípios possam capturar esses animais, uma vez que nessas horas não aparece nenhuma pessoa dizendo ser proprietário, e quando capturar marca com um ferro criado para esse fim, e uma vez por mês abrir-se um leilão. Dessa forma, o novo proprietário poderá e deverá ter total responsabilidade pelo animal arrematado, fazendo com que o mesmo não volte para as margens das BAs. Sendo assim ganha o povo, por não ficar refém do perigo, ganha a pessoa que arrematar o animal a custo baixo e ganha o município o recuso pela venda do animal, ao menos para cobrir as despesas com esse projeto.

Nas últimas semanas, postamos ao menos uma vez por semana, alertas de animais soltos nas BAs, tentando alertar os motoristas sobre o perigo, hoje mesmo (17/04/2017) um internauta nos mandou uma foto de um animal solto na BA 417, entre Serrolândia e o Povoado de Novolândia, e relatou que por pouco um veículo que transporta passageiros de Serrolândia para Jacobina não colidiu com o cavalo.



Relembramos alguns acidentes em nossa região:  
 


Animais na pista causa mais um acidente na tarde de ontem em Serrolând
ia (2015)

Acidente em Serrolândia / Março de 2015


Acidente entre Várzea do Poço e Serrolândia (2011)



Serrolândia: Carro da Prefeitura de Várzea do Poço atropela animal na pista da BA - 417



Animal na estrada causa acidente com carro que trasportava um time da cidade de Várzea do Poço (2013)


Animal solto na pista causa acidente na BR-407 próximo a cidade de Mairi​
 (2011)
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
Fale pelo Whatsapp
Atendimento
Precisa de ajuda? fale conosco pelo Whatsapp